• Carlos Eugênio dos Santos Lemos

Bolsonaro indica militar como novo presidente da Petrobras

Atualizado: Fev 20

Após nova alta de preços e declarar que poderia intervir na estatal brasileira Bolsonaro elege General para a presidência da empresa.


Em vídeo divulgado em suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) declarou nesta sexta-feira (19/02/2021) em meio a visita a cidade de Sertânia (PE) que iria fazer mudanças na estatal brasileira. Essa fala vem após o presidente afirmar em sua live rotineira de quinta-feira que algo iria acontecer.


Com o quarto aumento no preço dos combustíveis no ano de 2021 a classe dos caminhoneiros reagiu mais fortemente ao aumento dos preços, alguns membros já vinham tecendo críticas a Bolsonaro pela inércia do governo federal em tentar reverter a política de preços que a empresa aplica em solo brasileiro.


Com o objetivo de evitar críticas e se esquivar da responsabilidade sobre os aumentos, Jair Bolsonaro justificava indicando que os estados estariam cobrando um imposto elevado sobre os combustíveis e que as críticas deveriam ser direcionadas aos governadores. Esta crítica se deve ao fato de os governos estaduais controlarem as alíquotas do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.


Em 2016, ainda no governo Temer a petroleira estatal passou por uma mudança na política de preços utilizada. Com as medidas adotadas a empresa passou a ter os valores repassados ao consumidor de acordo com as variações de preço do barril de petróleo no mercado internacional e da flutuação da taxa de câmbio. A medida adotada pelo governo Temer foi duramente criticada a época pela Aepet (Associação dos Engenheiros da Petrobrás), a qual eles intitularam de ‘America first!’ – ‘os Estados Unidos primeiro!’.


No final da tarde de hoje o presidente anunciou em suas redes sociais que irá alterar o presidente da Petrobras, com a entrada de mais um militar para compor o quadro de indicações do governo. Jair Bolsonaro anunciou o nome do general Joaquim Silva e Luna para substituir o atual presidente da estatal.


O mercado financeiro reagiu negativamente as declarações de Bolsonaro de que poderia intervir na estatal, segundo o jornal O Globo, diretores chegaram a usar a expressão de que Bolsonaro "dilmou", em referência a ex-presidente do Partido dos Trabalhadores.

0 comentário