• Ghiri

Falta de matéria-prima afeta mais de 70% das indústrias brasileiras

Segundo a CNI, normalização só é esperada no 2º semestre de 2021.


Levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontou em seu estudo que 73% das empresas da indústria geral (extrativa e de transformação) e 72% das empresas da indústria da construção encontram dificuldades em obter os insumos e matérias-primas produzidos no Brasil.


O presidente da confederação, Robson Braga de Andrade, admite que as expectativas de normalização das cadeias produtivas nacionais foram frustradas. A sondagem foi feita com 1.782 empresas ao longo de fevereiro. Os percentuais permanecem próximos dos registrados em novembro de 2020, quando 75% e 72%, respectivamente, observaram esse problema.

Azul: Novembro 2020; Laranja: Outubro 2020. Fonte: CNI.


De acordo com a pesquisa, 65% das empresas da indústria geral que utilizam insumos importados estão com dificuldades para conseguir insumos, mesmo pagando mais caro. Esse percentual sobe para 79% no setor de construção.


Entre os 26 setores de atividade da indústria de transformação considerados na pesquisa, em 13 pelo menos 50% das empresas tiveram dificuldades para suprir sua demanda em fevereiro de 2021.

Fonte: CNI.


No setor de informática, eletrônicos e ópticos, por exemplo, a falta de insumo atingiu 69% das indústrias em fevereiro deste ano. Em novembro do ano passado, afetava 42% das empresas do setor.


Outros setores que apontam mais dificuldades para atender sua demanda são metalurgia, veículos automotores, máquinas e equipamentos, móveis, têxteis, celulose e papel, madeira, máquinas e materiais elétricos, produtos de metal, material plástico, outros equipamentos de transporte e produtos diversos.


A desvalorização do real tornou as exportações mais atrativas e redirecionou parte do fornecimento de matérias-primas, insumos e produtos finais ao mercado internacional e aumentou o custo dos insumos e matérias-primas importados para as indústrias brasileiras.

Fonte: Confederação Nacional da Indústria.

0 comentário