• Carlos Eugênio dos Santos Lemos

Generais avaliam que comandante do Exército pode renunciar por conta de blindagem à Pazuello

O ex-ministro e general Eduardo Pazuello deve apresentar hoje (27/05/2021) sua defesa sobre participação em ato com Bolsonaro

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o presidente Jair Bolsonaro discursam a apoiadores em ato no Rio de Janeiro. Foto: Wilton Júnior/Estadão


O general de três estrelas Eduardo Pazuello, ex-ministro da saúde, participou de uma manifestação ao lado do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) no Rio. Segundo o portal Estadão alguns generais ouvidos avaliam que cresce o risco da transgressão de Pazuello virar motivo para um novo embate entre o Palácio do Planalto e o Comando do Exército. Existe o receio do comandante do exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, venha pedir sua renúncia do cargo.


“É possível, sim (que renuncie), e acho que é o mais provável, se ele for desautorizado. Não tem muita saída. Se o ânimo dele for entregar o boné, é uma boa solução. Mas não sei o que o general Paulo Sérgio vai fazer. A posição dele, a do ministro da Defesa e a negociação com o presidente são variáveis importantes”, diz o general Sérgio Etchegoyen, que foi ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) no governo de Michel Temer.


Pazuello vai apresentar hoje sua defesa, no último dia do prazo estabelecido pela corporação. Há quase dois meses no cargo, Paulo Sérgio, por sua vez, se afastou das redes sociais e evita manifestações públicas. O general está decidido a aplicar uma punição ao ex-ministro da Saúde.


A chegada de Paulo Sérgio como comandante do Exército foi precedida de um desgaste de viés político entre Bolsonaro e a corporação. Uma série de militares de alta patente apontou o descontentamento do presidente com o então comandante, Edson Pujol, como motivo para a demissão do general. Pujol não cedeu às investidas de Bolsonaro e aos pedidos de engajamento da tropa no governo, em que pese a escancarada participação de militares da ativa em cargos políticos.

0 comentário