• Elisa Costa

Governo desinveste mais R$ 200 bilhões com privatizações

Mais 15 empresas foram incluídas no Programa Nacional de Desestatização (PND), entre elas a Casa da Moeda do Brasil (CMB) e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Foto: Reprodução.


Até o mês de abril deste ano, mais de R$200 bilhões foram desinvestidos em ativos do BNDESPar, Banco do Brasil, CaixaPar e Petrobras. Além disso, quatro empresas foram privatizadas com a ajuda do governo federal: Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal), Companhia Energética de Brasília (CEB), Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) e Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae).


Desde janeiro de 2019, o governo federal trabalha para seguir o fluxo de privatizações, desinvestimentos e liquidações, com o intuito de arrecadar um valor estimado em R$ 367 bilhões. Dados da Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, do Ministério da Economia, mostraram que os desinvestimentos dos 10 maiores ativos do BNDESPar, Banco do Brasil, CaixaPar e Petrobras registraram 74% das alienações realizadas até agora, de R$151,4 bilhões. A TAG (Petrobras) foi vendida por R$33,5 bilhões e depois dessas empresas, veio as debêntures da Vale, representando R$11,5 bilhões.


Ainda não acabou


Foram incluídas 15 empresas no PND, como a Casa da Moeda do Brasil (CMB), a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), a Empresa Gestora de Ativos (Emgea), e outras, mas algumas ainda vão passar por análise do Tribunal de Contas da União (TCU) e outras já esperam pelo edital que deve sair ainda este ano.“[...] Foi todo um trabalho para atrair a iniciativa privada, criando, assim, um mercado competitivo para investimentos nos projetos”, contou o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Diogo Mac Cord. Instituições como os Correios, a Eletrobras, Dataprev e Telebrás também estão na mira da privatização, porém o governo ainda precisa da aprovação do Congresso para dar andamento no processo.

0 comentário