• Welyson Lima

Vereador bolsonarista, Gabriel Monteiro é investigado pela Câmara após fiscalizar unidades de saúde

Gabriel Monteiro entrou sem autorização em um abrigo de menores acompanhado de assessores e seguranças. Ao todo, são 4 representações contra ele.


A Câmara Municipal do Rio, através do Conselho de Ética, iniciou uma investigação contra o vereador Gabriel Monteiro (PSD) depois de o parlamentar ter feito fiscalizações em unidades de saúde sem autorização da Prefeitura ou do Governo do Estado. O vereador invadiu um abrigo de menores em março, junto a assessores e seguranças, provocando aglomeração. Além do Conselho de Ética da Câmara, o Conselho Regional de Medicina (Cremerj) já estão tomando as providências.


Pelo menos, paira contra o vereador, quatro representações, que já chegaram à Câmara de vereadores. A primeira foi da equipe da Coordenação de Emergência Regional do Leblon (CER). No dia 26 de março, o vereador invadiu a UBS (Unidade Básica de Saúde) sem autorização da direção, chegando a entrar inclusive na área de terapia intensiva contra a Covid-19, usando equipamentos sem higienização, como celular.


A outra representação foi da organização social Cruz Vermelha. O vereador esteve no Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, administrado pela OS, no dia 7 de abril. Em um vídeo no local, Monteiro aparece cercado por outras oito pessoas.


Além das unidades de saúde, o parlamentar invadiu abrigos da prefeitura em horário noturno. Chegou a arrombar o portão da unidade, empurrando funcionários que impediam sua entrada no ambiente.


Em 30 de março, a juíza Mônica Labuto Fragoso Machado, da 3 Vara da Infância e da Juventude acolheu um pedido da Secretaria Municipal de Assistência Social, impedindo fiscalização noturna. Para a magistrada, independentemente da pandemia de Covid-19, a fiscalização noturna é inconstitucional, uma vez que viola o direito fundamental do repouso noturno.O Ministério Público investiga se o vereador cometeu abuso de autoridade ao visitar as unidades. Enquanto o Conselho de Ética investiga se o vereador Gabriel Monteiro cometeu quebra de decoro parlamentar.


O vereador diz que foi autorizado por uma das unidades de saúde onde esteve e que estava com a roupa do hospital. De acordo com ele, várias unidades tinham suspeitas de médicos fantasmas. Sobre abrigos, ele disse que encontrou falta de alimentos e "flagrou um ovo vencido".


O parlamentar foi convocado para falar na Presidência da Câmara, porém não compareceu nas sessões e não participou de nenhuma das discussões mais importantes das últimas semanas.

0 comentário